Fechar
 
 
 

Seleccione os seus temas favoritos
wait

Parabéns

O seu registo foi concluído com sucesso!

O Palácio do Correio Velho enviou-lhe um E-mail para confirmar o seu registo para:

Verifique a sua caixa de Lixo Electrónico se não tiver recebido o E-Mail na sua Caixa de Entrada dentro de 5 minutos.
É aconselhável adicionar o endereço <mail@news.pcv.pt> à sua lista de emails de confiança para garantir a correcta recepção das mensagens enviadas pelo Palácio do Correio Velho.

PCV Logo
Voltar à página dos lotes

D.A.Sequeira, Retrato Família 1º Visconde Santarém

Leilão Online - 6 de Janeiro às 10:00 a 10 de Janeiro às 22:00
0024

D.A.Sequeira, Retrato Família 1º Visconde Santarém

€ 1.300

Este lote é uma impressão HP Latex 3000, com tintas latex para exterior à base de água e não nocivas ao ambiente, sobre Polycanvas.

A primeira impressão desta obra foi furtada do local onde foi originalmente exposta.

Destacamos a cortesia da HP Portugal que com a colaboração de Ocyan decidiu reimprimir esta obra e disponibiliza-la propositadamente para este leilão.

Atenção: Este lote não se encontra montado em grade nem está emoldurado.

DOMINGOS SEQUEIRA, Domingos António de Sequeira (1768-1837)
Retrato da Família do 1º Visconde de Santarém
1816
Óleo sobre tela
Dim. aprox.: 136 x 177 cm

Nota

Num elegante interior de linhas clássicas, o 1º Visconde de Santarém faz-se representar com a sua segunda mulher e cinco filhos, mais o irmão, Arcebispo de Adrianópolis, com ele sentado à mesa. Em cima desta, uma escultura alegórica de D. João VI, recém-aclamado Rei de Portugal mas ausente no Brasil desde 1807. O Visconde desempenhava as funções de inspetor dos Paços Reais e este retrato pretende ser uma homenagem ao novo monarca e uma imagem de distinção social da família.

Museu Nacional de Arte Antiga - Sala 13

Proveniência

Museu Nacional de Arte Antiga, Lisboa

Categorias

Comissão

0,00 %

Sobre o autor

DOMINGOS SEQUEIRA, Domingos António de Sequeira (1768-1837)

Grande pintor dos sécs. XVIII e XIX (1768-1837), de seu nome verdadeiro Domingos António do Espírito Santo, adoptou em cerca de 1785, o apelido do padrinho. Em 1781 matriculou-se na Aula Régia de Desenho e Figura e, terminado o curso, trabalhou sob orientação do seu mestre Joaquim Manuel da Rocha, em obras de decoração dirigidas por este último. Mais tarde, protegido pelo Marquês de Marialva, obteve pensão de D. Maria I e seguiu para Roma, onde chegou em 1788. Aí, depois de ter estudado composição com Della Picola e pintura com António Cavalluci, conheceu os seus primeiros êxitos, alcançando o 2º lugar, entre dezenas de talentos rivais, nas provas de aptidão para a Academia do Nu, no Capitólio. De regresso a Lisboa, pinta em 1796, por encomenda do inglês William Beckford, a composição "Baco e Ariana". Por motivos que se desconhecem, pensou em fazer vida eremítica no Buçaco e como tal, ingressou na Cartuxa de Lavadeiras, onde esteve até 1802. São desse período, os quadros religiosos: "A Conversão de S. Bruno", "São Bruno em oração" e "Comunhão de São Onofre". Em 1802 é nomeado pelo Príncipe Regente, futuro D. João VI, primeiro pintor de Câmara e Corte, encarregado de fazer pinturas decorativas para o Real Palácio da Ajuda. Cinco depois, Sequeira é designado director da Aula de Desenho da Academia de Comércio e Marinha do Porto. Em 1813 foi encarregado pelo Príncipe D. João, de fazer os esboços e dirigir a execução da monumental baixela destinada a ser oferecida ao Duque de Wellington, pelos altos serviços prestados por este a Portugal, durante as Guerras Peninsulares. Em 1823, após o movimento da Vila-Francada, que aboliu o regime vintista, segue para o exílio, na companhia de sua filha Maria Benedita, instalando-se em Paris, onde recebe os elogios de Stendhal, que a ele se refere entre os pintores "românticos", ao lado de Delacroix. De facto, Sequeira pode ser considerado o percursor do movimento romântico na arte portuguesa. A partir de 1826 e até 1832, já em Roma, executa um conjunto admirável de obras sacras, "Descida da Cruz", "Adoração dos Magos", "Ascensão do Senhor" e "Juízo final" (todos da colecção da Casa Palmela). Adoece em 1833, com uma série de ataques apoplécticos, que lhe diminuíram as suas faculdades, tendo falecido na cidade Eterna, em 1837. Artista fecundo, por vezes desigual como pintor, deixou quadros excelentes, esboços admiráveis e uma série de óptimos desenhos. Além de abridor de gravuras, foi também o iniciador de litografia em Portugal.

 
PEDIDO INFO

Os lotes adquiridos deverão ser levantados no prazo máximo de 8 dias úteis após o leilão, na nossa sede (Leilões Live) ou no nosso armazém (Leilões Online), sem custos acrescidos. No caso de não efectuar o levantamento dos lotes dentro do prazo, informamos que iremos proceder à entrega dos mesmos a uma empresa externa para gestão de stock e manuseamento, o que terá um custo acrescido.

Todas as informações contidas no nosso site são propriedade exclusiva do Palácio do Correio Velho e não podem ser reproduzidas sem nossa autorização prévia.